quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Parto Normal ou Cesárea?

Vi estes pontos sobre os tipos de parto num fórum e resolvi replica-los aqui para te-los ao alcance e para passar as informações a todas as mamães que ainda têm seus bebês no forninho.

Parto Normal:
1. Permite à natureza seguir seu rumo, deixando o bebê nascer no tempo certo.
2. A maioria das mulheres pode ter sem contraindicações.
3. Favorece a expulsão dos líquidos pulmonares do bebê, havendo menos risco de desconforto pulmonar após o parto.
4. Não se pode decidir o momento em que o bebê vai nascer. Deve-se esperar as contrações e a dilatação do cólo do útero. Após 37 semanas, a mãe deve diminuir suas atividades normais e esperar pelo parto tranquilamente. Pode ser a qualquer momento !
5. As dores de parto começam devagar e espaçadamente, e depois ficam mais fortes e freqüentes, ajudando a dilatar o cólo do útero, que deve chegar a 10 cm para que o bebê nasça. As dores se assemelham a cólicas fortes, refletindo no baixo ventre (pé da barriga) e nas costas, e vêm a cada 5 minutos.
6. O momento em que pode ser dada a anestesia varia e deve ser decidido de acordo com a dor da paciente. Geralmente, após 5 cm de dilatação, a dor começa a piorar e podemos indicar a anestesia peridural contínua, onde o anestesista coloca um cateter nas costas da paciente para complementar a anestesia até o parto. Por isso, parto sem dor.
7. Para as mulheres que agüentam mais a dor, uma raquianestesia com menos anestésico pode ser feita perto do parto para aliviar a dor no momento do nascimento.
8. A acupuntura funciona bem para aliviar a dor de parto e corrigir disfunções do trabalho de parto, e pode ser optada pela paciente e pelo médico. Se o obstetra for acupunturista, melhor. Se não, um acupunturista pode estar presente durante todo o parto.
9. A parto é monitorado pelo médico ou por uma enfermeira obstetriz no hospital, no local de pré-parto, durante todo o tempo para avaliar como está o bebê. Se qualquer problema acontecer, o médico poderá indicar uma cesárea. Neste momento a paciente é avisada e esclarecida.
10. O trabalho de parto dura em média 12 horas, sendo que a dilatação evolui 1 cm por hora, e após 10 cm, a expulsão do bebê demora 1 hora. Isso varia de mulher para mulher, sendo que umas apresentam evolução mais rápida. Outras vão ao hospital muito cedo, ainda com pouca dilatação, e ficam mais tempo em trabalho de parto. Por isso, espere as contrações ficarem mais freqüentes e fortes antes de procurar o hospital, principalmente se for seu primeiro parto.
11. Cada parto é diferente um do outro. Quem teve somente um parto cesáreo, ainda pode ter parto normal. Se você teve um parto normal, pode ser que precise de uma cesárea.
12. Para mulheres que não fazem atividade física freqüente e têm uma fragilidade dos músculos do períneo, há maior risco de apresentarem prolapsos vaginais em idade mais avançada, ou seja, bexiga caída ou útero caído. Esses problemas podem ser corrigidos com cirurgia.
13. Para evitar roturas nos músculos do períneo, o obstetra realiza a episiotomia no momento do parto, principalmente na primeira gravidez, que é um corte ao lado da vagina para ampliar a saída do bebê. Depois de bem suturado, os pontos caem sozinhos e nem aparecem. Deve ser lavada sempre e deixada bem seca para evitar infecções.
14. O parto normal complica menos, ou seja, dá menos infecções e necessita de menor intervenção do médico.
15. A permanência no hospital é breve, geralmente de 24 horas ou menos.
16. Tem menor custo para os pais e para o hospital.
17. A mãe retorna rapidamente às atividades normais, porque não há dor após o parto. Anda normalmente, come normalmente. Pode sentir algumas cólicas devido à contração e diminuição do útero. A episiotomia pode doer, mas analgésicos comuns resolvem bem.
18. A bacia (pelve) da gestante deve ser avaliada pelo médico, bem como o peso do bebê próximo do parto. Há bacias pequenas demais e bebês grandes demais para nascerem por parto normal.
19. O parto normal também pode evoluir para parto fórceps. O fórceps é um instrumento parecido com duas conchas que ajudam o bebê a sair quando a cabeça já está baixa. Seu uso é indicado pelo médico quando a cabeça não está rodada para a posição certa de nascer e o parto está demorado. Bem realizado, não machuca nem a mãe, nem o bebê.
20. Quando o bebê passa de 42 semanas, isso é, do tempo que se pode esperar para o parto espontâneo, pode-se induzir o parto com medicamentos. Se a mulher já tem uma cesárea anterior, não podemos induzir, e o médico faz nova cesárea.

Parto cesárea:
1. A grande vantagem é que a mãe pode decidir quando será o parto. Muitas mulheres trabalham, necessitando se programar para a chegada do bebê. É realizada no mesmo dia da internação.
2. O médico deve avaliar muito bem a idade gestacional. Um ultra-som bem precoce deve estar disponível para confirmar a idade pela última menstruação. Um erro pode ocasionar que o bebê nasça prematuro. A maior causa de bebês prematuros no país é a cesária programada de forma errada !
3. Pode-se também aguardar a grávida entrar em trabalho de parto para fazer a cesárea.
4. A mulher não sente as dores do parto, ou se entrar em trabalho de parto, não sente por muito tempo.
5. A gestante tem certeza de que o médico que a acompanhou estará disponível para fazer o parto. No parto normal, como não há hora para nascer, muitas vezes o médico não está disponível e um médico plantonista ou obstetriz conduz o parto.
6. A anestesia dada é a raquidiana ou a anestesia peridural.
7. Geralmente, há mais dor após o parto devido à incisão (corte) na barriga e à manipulação do médico. Necessita de maior dose de analgésicos. A dor e o inchaço no local demora cerca de 6 meses para diminuir, como toda cirurgia.
8. A incisão é feita de forma estética e geralmente não aparece no biquini.
9. Lembre-se que a cesárea não deixa de ser uma cirurgia, com todo risco de complicações de qualquer cirurgia comum (infecções, sangramentos, risco anestésico, trombose nas pernas).
10. Em certos casos, o parto cesáreo é indicado. Quando o bebê está sentado, em gestação de gêmeos, quando há complicações durante o parto normal, quando há sofrimento do bebê, quando há placenta prévia, quando há alguma patologia grave, quando o bebê passou do tempo de nascer e não se pode induzir o parto, quando há mecônio espesso, entre outras. O mecônio são as fezes do bebê. Quando estão em grande quantidade, tornam o líquido amniótico espesso e, se aspirado pelo bebê, gruda nas vias aéreas e dificulta a respiração.
11. Se você já tem duas cesáreas anteriores, não pode mais ter parto normal.
12. A manipulação de dentro do abdome durante a cirurgia gera fibrose (cicatrizes) e cada vez em que é realizada um cesárea, as fibroses ficam mais intensas e duras. Após a segunda cesárea, a cirurgia se torna de maior risco e mais difícil.
13. Pode acontecer também, devido à fibrose e aderências, de algumas mulheres não conseguirem mais engravidar. Há maior chance de dores crônicas na barriga e de endometriose após um parto cesáreo.
14. O útero fica com uma cicatriz em seu músculo, que é sempre um ponto mais frágil. Se você entrar em trabalho de parto após duas cesáreas, seu risco de romper o útero neste local da cicatriz é maior. A rotura uterina pode provocar morte do bebê e da mãe se não for atendido com urgência.
Nesta cicatriz do útero também é mais fácil se implantar a placenta na próxima gravidez. Como a cicatriz é muito baixa, a placenta fica baixa e antes do bebê. Chamamos de placenta prévia. Ela ocorre também em mulheres que nunca tiveram cesárea, mas com menor freqüência. A placenta pode sangrar bastante durante toda a gravidez e não permite mais um parto normal. Torna-se uma gravidez de alto risco.
15. O pulmão do bebê não é tão comprimido durante a cesárea e ele têm maior risco de ter desconforto para respirar após o parto. Por isso, o pediatra aspira as vias aéreas de todo bebê nascido de cesárea. Esse desconforto geralmente passa logo, melhorando quando o pulmão reabsorve todo o líquido.
16. O tempo de internação da mãe após cesárea é maior, 48 horas em média, depende do médico e do hospital.
A mulher deve ficar sem pegar peso e fazer esforço físico nem ginástica por pelo menos 2 meses após a cirurgia, para permitir a cicatrização completa e evitar hérnias internas.

Ah, sim! Faltam 158 dias! hehehehe

4 comentários:

  1. Miga valeu pelo post me ajudou muitooo


    bjoss

    ResponderExcluir
  2. Olha amiga...mesmo sem ter uma sementitinha em meu v entro eu já tenho uma opinião formada sobre este assunto.
    Eu quero parto Normal...tudo bem que pode ocorrer infinitas coisas...mas eu quero Normal!!

    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Eita, acabei de escrever sobre isso no blog! Sinceramente, metade dessas coisas ali da cesárea não acho que seja vantagem, não!
    Aff, sou total contra, não adianta!

    ResponderExcluir
  4. Eu fiz cesaria e nao tenho do que reclamar, tanto e q quero cesaria de novo, do meu futuro filho! Mais tive meus motivos entao acho q cada mulher e de um jeito!! Bjins na barriguinha!!!

    ResponderExcluir