sábado, 5 de novembro de 2011

Nossa viagem para Natal - parte 1

Viajando de avião - Rio de Janeiro GIG - Natal NAT
 
http://www.blogdacomunicacao.com.br/
Nós não escolhemos a companhia aérea para viajar. Explico: papai estava indo para Natal a trabalho, então nesses casos sempre aguardamos a empresa dele comprar as passagens (sempre pedindo o voo direto, sem escalas) para poder então emitir as nossas. Sempre que posso utilizo minhas milhas do cartão de crédito, o que me dá certa liberdade de poder "escolher" a companhia aérea que posso voar. Assim, voamos de GOL, direto, na ida fomos na hora do almoço e no retorno voltamos por volta das 14:00h.

A ida foi tranquila, apesar de terem vendido as poltronas preferenciais para pessoas sem bebês, cadeirantes ou gestantes. Imagina eu, com a coluna operada, e uma bebezona inquieta, na 8ª fileira. Poderia ser pior... poderia estar na cauda! rs Eles não dão mais aqueles cintos para bebês (que eu particularmente nunca vi). Então, a criança até dois anos vai no colo dos pais mesmo. Só pode sentar sozinha depois dos 24 meses completos (pagando passagem, tri-óbvio). Na hora do "almoço" foi servido um "enorme" pacote de amendoins! Pasmei (como se as passagens fossem baratas!). Os sanduíches "a preços competitivos" (R$12,00!!) eram vendidos depois de um certo tempo de terem serviço a bebida que é servida "de graça" (como se não estivesse embutida no preço da passagem) para que você tenha que pagar R$5 para não comer o sanduíche a seco. Como estávamos com fome, pegamos só um sanduíche (para dividirmos), que na foto é lindo, mas a realidade é outra!! Gelado! Ui! Mas tudo bem, entre mortos e feridos, salvaram-se todos. Chegamos no aeroporto de Natal e o carrinho da Jade, despachado na porta da aeronave no Galeão, já estava nos esperando na porta. Pegamos nossas malas sem problemas.

O retorno foi tranquilo também e digamos bem melhor que a ida. A chefe de cabine (Ana, salvo engano, e o comissário Edson Martins) foram super gentis e nos colocaram na primeira fileira. Que só é ruim pois os descansos dos braços não levantam (por terem embutidos neles a mesa), mas o espaço para as pernas e não ter ninguém te espremendo foi a melhor coisa. O comissário só nos alertou que não podemos deixar a criança sentada no chão e nem deitada lá! E a bolsa fica no bagageiro em cima. Então ela ficava de pé lá, sentada na cadeira que eles deixaram disponível para ela. Muito bom. Ele chegou a fazer um "bob enponja" para a Jade com o saco do voo. rs Nesse voo não teve cardápio de sanduíches. Só o carrinho que demorou muito para aparecer. Ainda estava chovendo e o pobre chegou ligeiramente molhado, já que o carregador não tem nenhuma proteção para ele, imagina para o carrinho!?

Para "diminuir" o tempo do voo levamos para a pequena vários videos (conhece Galinha Pintadinha?! rs) no celular (que tem que ficar no modo AVIÃO), caderninho de pintar, giz de cera e um telefone de brinquedo. E como estávamos na janela, íamos mostrando algumas coisas para ela. No pouso e na decolagem oferecíamos água. Tanto para hidratá-la quanto para diminuir a pressão nos ouvidos.

Nota da GOL? Eu diria que 8, pois o lance de venda de sanduíches no voo é ruim demais, fora que o preço da passagem é o mesmo da TAM que não faz este tipo de serviço (que na verdade dá a refeição em voos distantes); por terem vendido as poltronas preferenciais para pessoas não "precisadas"; pelo espaço entre as pernas nas poltronas (tenho 1,79m... rs).


Sobre os pontos turísticos

Não vou falar de praia porque tenho uma pequena carioca que não gosta de pisar na areia, então esse "problema" nos cortou todo o litoral potiguar, que parece ser muito bonito. Só consegui colocar os pés e a canela na água na praia de Ponta Negra, onde estavamos hospedados. É quentinha e convidativa. Bem melhor que o frio congelante das praias daqui do Rio!! Também vale lembrar que estavamos a trabalho (maridão) e não topo sair sozinha numa cidade desconhecida para conhece-la com um bebê a tiracolo. Já fiz muito isso quando era apenas casada (andei toda uma cidade sem sequer falar o idioma sozinha por uma semana rs), mas agora a conversa é outra, né?

Eu também gosto de conhecer um pouco do cotidiano de outra cidade, ir no mercado, no shopping para saber se eu me adaptaria àquela realidade. E você?

Vamos lá então?!
Ponta Negra - Natal (RN)
Como Natal é uma região de macro-maré (a variaçao entre maré baixo e maré alta é muito grande) a praia muda muito o perfil dependendo da hora do dia que vc vai visitar.

Como estavamos nesta região tentamos entrar na praia, mas pelo horário (07:30h) não dava para colocar as coisas na areia porque ela estava muito encharcada da maré alta ainda, e para usar as cadeiras dos trailers custa R$10! E deixar na areia longe não tive coragem. Não sei se é porque a gente sai com costume de Rio... Mas uma das hóspedes foi roubada na praia, teve a correntinha arrancada e não fiquei segura.

Jade e Papai na praia de Ponta Negra.

E como Jade não gosta de areia e a gente tentando enturma-la, era sacrificante para minha coluna ter que ficar abaixa e levanta para ela colocar o pé na água quando a onda vinha... a água é quentinha e dá vontade de ficar lá... ô dó... rs Fica para a próxima!

Vale lembrar que, como é perto das dunas, o sol na praia acaba às 15h!
Eu e Jade na capela-paiol
Para ir até o forte (ou fortaleza) ou você pega um city tour ou você vai de táxi ou aluga um carro (estacionamento com flanelinha... demos R$2). Não sei opção ônibus!

A entrada custa R$4,00 e você paga no quiosque 2 do estacionamento.

Do estacionamento até o forte é uma caminhada de 800 m, então use protetor e boné, porque venta, mas o sol pode te dar uma corzinha rs

A visita é mais pela história de Natal e para conhecer um pouco de nossa história também. É muito interessante saber como funcionava as coisas naquela época. E ficar imaginando as guerras que lá tiveram para defender nosso território, um barco atracando para tirar os que ainda estavam por lá, etc. Cuidado com os pequenos nas escadarias! 


Aquário de Natal
No Aquário de Natal
Para chegar ao aquário indo de Natal tem-se que passar pela ponte Newton Navarro para chegar à Redinha. Vire à direita e num caju de cimento vire a esquerda e siga pela avenida que uma hora você chega lá! rs

Também é incluídos nesses city tours da vida, mas fomo de carro alugado porque uma corrida até lá não deve ser nada barata... O ingresso custa R$12,00 para adulto e R$6,00 a meia-entrada.

As crianças ficam deslumbradas, pois tem peixe, tubarão, jacaré, tartaruga, mico, cobra, lagartos e até pinguim.

Eu particularmente achei meio deprê, pois os aquários eram minúsculos! Fiquem com uma dó imensa daqueles bichos ali. O olhar do mico e dos lagartos era desolador... Acho que eles mereciam viveiros maiores. Aliás, esse negócio de zoo não é muito comigo não. Fico pra baixo... ainda mais nesse estilo... E também achei o lugar meio quente.

Jade adorou o mico, que ela chamava de Gogi (George, o curioso), a tartaruga, e os peixões.

Jade, papai e o caju!
Tiramos uma manhã para irmos conhecer o cajueiro. Ele não fica na cidade de Natal e não sei se está incluso no city tour. Fomos no carro alugado e o estacionamento é gratuito quando se mostra o tíquete de ingresso no parque. De Ponta Negra até ele dá algo em torno de 30 minutos, indo bem tranquilo, afinal, estava de férias!! No caminho tem a Barreira do Inferno, de onde são lançados os foguetes brasileiros, mas parece que a visita deve ser agendada, então nem paramos... O ingresso custa  R$4,00.

Você não anda mais no nível do cajueiro, vai andando por passarelas de madeira, até para preservá-lo. Para vê-lo de cima, tem um mirante, mas a fila pode ficar gigantesca!

Andamos por ali tranquilamente. Tem um caju de ferro para você tirar foto com a carinha nele e ainda esses enorme pendurados para enfeite! Jade adorou. Saiu até falando Caju, Caju, Arve, Caju! rs

Na saída tem uma feirinha de artesanato. Comprei um monte de presentinhos: bolsas, jogo americano, chapéu. E uma saidinha de praia branca lindinha pra Jade!

Como essa uma bebezona não curte praia, tinha que ir andar em algum lugar né? Então fomos almoçar neste shopping num dos dias que o papai estava mais tranquilo. E aproveitamos para passar na farmácia e comprar mais protetor solar!

Fomos de taxi de Ponta Negra para lá e deu R$20 a corrida de ida e mais o mesmo para a volta.

O shopping, bem comparado com os que estou acostumada, é pequeno e em 10 minutos cobrimos todo ele! rs A praça de alimentação é bem grandinha, mas íamos comer no Camarões Express, mas só aceitam dinheiro! Aff. Só uso dinheiro de plástico, então perdeu... rs

Eu e Jade em clima de Natal no Midway
Já era Natal em Natal! rs

Fomos neste shopping para almoçar depois de vir do cajueiro. E como toda mulher, Jade adora um shopping, rs.

Usamos o fraldário que só tem no segundo piso. Tranquilo e limpo!

O estacionamento é gratuito e o shooping tem a grande maioria das lojas que estamos acostumados.
Claro, na cadeirinha com segurança!

Os restaurantes melhores, o cinema e o teatro ficam no terceiro piso. Lá tem o Guinza, que me falaram super bem da comida japonesa, mas eu não estava no clima de comer, sabe? Então fomos no Camarões de lá. Fomos super bem atendidos e a comida vem rápido, isso que importa, não é mesmo? O pessoal é muito atencioso!

Pena que o Papai Noel só chegará final do mês! rs


Espero que tenham gostado desses comentários rápidos sobre alguns pontos turísticos de Natal.


Este post já foi publicado no Mamis.

Nenhum comentário:

Postar um comentário