domingo, 24 de março de 2013

Casas de Parto Normal, você conhece?

De tanto conversar via face com minhas amigas ativistas (vou acabar virando uma kkkkkkkkkk), a gente discute também o preço da humanização do parto. E o que seria isso? Seria não elitizar o parto humanizado. Toda mulher deveria ter o direito de parir sem ser agredida, de ter o parto da forma que ela deseja, afinal, ela é a protagonista do mesmo!

Pelo SUS existe o projeto de 1999 (portaria n° 985/99 do Ministério da Saúde) das Casas de Parto Normal com o objetivo de humanizar e melhorar a assistência à gravidez, ao parto e ao pós-parto, diminuindo, assim, o número de óbitos por causas evitáveis. Nesse projeto estavam previstas para serem 40 CPNs em todo território nacional, mas só algumas poucas conseguiram sair do papel e vivem sendo ameaçadas de fechamento, uma vez que os médicos não as veem com "bons olhos" já que quem "manda no pedaço" são as enfermeiras obstétricas ou as obstetrizes de plantão.

São locais que se parecem com a casa de alguém, tentando ambientar a parturiente em um local familiar, pois sabe-se que o trabalho de parto evolui mais rápido se a mulher estiver confortável e confiante, se ela se entregar, e isso acontece melhor fora de um ambiente hospitalar, não é mesmo?

Nas CPNs não há uso de medicamentos, o parto é feito em quarto privativo, o acompanhante não será barrado (sabemos que apesar da lei existir, ela é apenas um papel em muitas instituições) e ele poderá cortar o cordão umbilical, a mulher pode escolher a posição que deseja parir (cócoras, água, sentada, etc) e não se faz as intervenções (como lavagem intestinal - enema-, raspagem de pêlos - tricotomia, episiotomia), mas a equipe é preparada para caso de ter que fazer suturas, por exemplo. Cada casa de parto tem seu modo de funcionar que geralmente inclui admitir apenas gestantes de baixo risco, sem cesárea anterior, etc. E não se preocupe, pois em caso de emergência, a Casa de Parto está preparada para o deslocamento da parturiente para um hospital de referência próximo dela. Nas CPNs também há o incentivo do aleitamento materno.

http://www.ebc.com.br
Na Casa de Parto David Capistrano Costa Filho, unidade extra-hospitalar localizada em Realengo (RJ), inaugurada em 2004, além das consultas de pré-natal, são realizadas diariamente reuniões de grupo. É num ambiente descontraído, com vários pufes e tapetes coloridos pelo chão, ao som de música suave, que a equipe da Casa recebe pessoas da comunidade, que conhecem o local por meio dos grupos de captação, e as gestantes, divididas de acordo com a idade gestacional. A unidade conta com três suítes, todas com banheiras, sala de TV comunitária, cozinha, jardim, salas de grupos e de pré-natal, quarto de enfermagem, espurgo e lavanderia.

Homônimo à CPN do Rio, o Centro de Parto Normal Dr. David Capistrano da Costa Filho, localizado em Belo Horizonte (MG), foi inaugurado em novembro de 2001 e fica nas instalações do Hospital Sofia Feldman. A instituição filantrópica realiza aproximadamente 150 partos por mês, todos custeados pelo Sistema Único de Saúde (SUS). A Casa de Parto possui 4 quartos com banheiros e jardins de inverno privativos; um deles com banheira para parto na água. As usuárias, seus familiares e a equipe de assistência participam de cafés comunitários, pela manha e à noite, momentos em que compartilham experiências a respeito do nascimento. Antes de receberem alta, as famílias são convidadas a realizar o Registro Civil do recém-nascido, com transporte oferecido pela instituição.

http://www.partocomprazer.com.br
Em São Paulo (SP) existe a Casa de Parto de Sapopemba, inaugurada em 1998, onde as gestantes começam a ser atendidas na 37ª semana. A prioridade da casa é o parto natural, sem uso de medicamentos, como a ocitocina, e anestesia, mas caso seja necessário esses recursos podem ser usados. Para o relaxamento da mãe e para aliviar a dor, é usada a ducha, a banheira, a bola suiça, a massagem, a caminhada, a música. (Não encontrei os dados atuais de quantos partos por mês são realizados...)

Também em São Paulo (SP), existe a Casa Ângela - Casa de Parto da Associação Comunitária Monte Azul, inaugurada em 2009, a proposta da casa de parto era dar prosseguimento ao trabalho desenvolvido por Angela Gehrke durante 10 anos no ambulatório da Monte Azul. No primeiro ano de funcionamento, de março de 2009 a março de 2010, foram realizadas 734 consultas de pré-natal e 369 de pós-parto (incluindo visitas domiciliares e orientação em planejamento familiar). Nesta Casa de Parto, há cobrança do atendimento para quem não reside na região. Essa cobrança auxilia na manutenção da Casa, pois eles não recebem ajuda financeira do governo.

Em Brasília (DF), a gestante pode buscar a Casa de Parto de São Sebastião, que no dia 14/03/2013, comemorou o milésimo nascimento. A Casa nasceu em 2009, funciona 24 horas por dia e é composta por enfermeiros obstetras e técnicos de enfermagem, que oferecem acompanhamento e assistência em tempo integral. O espaço físico da Casa de Parto é composto por dois consultórios, duas salas de parto, sendo uma com banheira, seis leitos de alojamento conjunto (três leitos em cada uma das duas enfermarias), uma sala de cuidados com o recém-nascido e reanimação neonatal, um posto de enfermagem e uma varanda para acesso das pacientes internadas.

Em Salvador (BA), tem o Centro de Parto Normal Mansão do Caminho, equipado com 06 leitos PPP (pré-parto, parto e pós-parto), A expectativa é que possam acontecer de 120 a 150 partos por mês, quando o Centro de Parto Normal (CPN) da Mansão do Caminho estiver em plena capacidade.

Em Lauro de Freitas (BA), ano passado foi inaugurada a Casa de Parto de Lauro Freitas. A unidade faz parte da Rede Cegonha, do Ministério da Saúde, e foi construído em parceria pelo Estado, Município e União. A Casa de Parto oferecerá oito quartos PPP (Pré-parto, Parto e Pós-parto), sendo dois deles equipados com banheira; sala de acolhimento e registro de parturiente com acompanhantes, sala de deambulação, sala de exames e admissão com sanitário, posto de enfermagem, sala de serviço, área para higienização das mãos e ambientes de apoio.

Enfim, as casas de parto ainda são poucas se considerarmos a quantidade de gestante que temos no Brasil, ainda mais se considerarmos a localidade das mesmas... Se você souber de mais alguma ou de um relato de parto dessas casas, coloca o link aqui nos comentários =)


Recomendo: Boletim Anvisa (pgs 3 e 4), A Casa de Parto de Sapopemba, Casa de Parto de São Sebastião comemora mil partos, Aldeia Materna, Diário de São Paulo - pg 4 (17/3/13).

Nenhum comentário:

Postar um comentário